Dados de usuários do Bilhete Único sofrem ataque hacker

 Dados de usuários do Bilhete Único sofrem ataque hacker

Crédito: Talytha Cardoso/Agência Cria Brasil

O vazamento ocorreu em abril de 2020, mas a SPTrans só tomou conhecimento dois anos depois

No dia 15/12/22, a SPTrans tomou conhecimento sobre o vazamento de dados de mais de 13 milhões de usuários do Bilhete Único. Segundo a empresa, as informações expostas são de abril de 2020, entre os dados estão nome, data de nascimento, CPF, RG, endereço, número de telefone, filiação, PIS, número de matrícula de aluno, estado civil, naturalidade, sexo, e-mail, além de login e senha do nosso portal de serviços na internet. 

O ocorrido, abre precedente para o roubo de informações dos usuários, conforme consta no no email enviado pela SPTrans aos usuários: “A exposição dos seus dados cadastrais pode ocasionar os seguintes riscos: abrir contas em seu nome, acessar outros serviços onde a mesma senha é usada e aplicar golpes (…).”

A empresa, que é responsável por fazer a gestão do sistema de transporte público de passageiros da cidade de São Paulo, informou em nota disponivel no site que trabalha em concordância com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) de  n° 13.709/2018, que decreta os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e a livre formação da personalidade de cada indivíduo, e que está tomando as ações necessárias para garantir a segurança dos dados dos usuários a partir da contratação de empresas especializadas em segurança cibernética.

A SPTrans informou ainda que, o saldo do Bilhete Único se mantém preservado e não há necessidade de se dirigir aos postos de atendimento para verificação de créditos ou benefícios.

Confira algumas dicas para proteger seus dados:

  • Troque periodicamente as senhas de acessos às redes sociais, e-mails, contas bancárias etc.
    Não use combinações fáceis como datas de nascimento, e sempre utilize senhas com letras, números e caracteres especiais.
  • Utilize um e-mail como backup para recuperação de senha.
  • Busque na base de dados do SERASA ou SPC sobre possíveis dívidas que possam ter sido feitas nesse período que seus dados tenham sido vazados.
  • Caso surja dívidas durante esses dois anos, abra um boletim de ocorrência online ou pessoalmente nas delegacias especializadas em crimes virtuais (apresente o e-mail enviado pela SPTrans para complementar a denúncia).

Para mais informações sobre segurança e serviços, acesse: www.ssp.sp.gov.br

Digiqole Ad

Relacionados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *