Conhecer as favelas de perto possibilita uma compreensão da realidade, além dos números

 Conhecer as favelas de perto possibilita uma compreensão da realidade, além dos números

Crédito: VAN CAMPOS/ESTADÃO CONTEÚDO

As favelas são parte integrante do tecido social de muitas cidades em todo o mundo. No Brasil, as mais de 10  mil favelas representam uma realidade complexa, com desafios econômicos, sociais e culturais que exigem abordagens igualmente multifacetadas para promover o desenvolvimento sustentável. 

Organizações como o G10 Favelas, ressaltam a importância da imersão nas comunidades e do empreendedorismo de impacto positivo como ferramentas para criar mudanças efetivas e combater o preconceito enraizado. Além disso, enfatiza a importância de compreender as necessidades reais das comunidades, indo além do potencial econômico que elas podem oferecer em termos de ESG (Environmental, Social, and Governance).

Para compreender verdadeiramente as favelas, é essencial ir além das estatísticas e dos dados quantitativos. A imersão nas comunidades é fundamental para obter um conhecimento aprofundado das realidades locais. Isso implica em vivenciar o dia a dia dos moradores, ouvir suas histórias e experiências, e entender as dinâmicas sociais e culturais que moldam suas vidas. Nos últimos anos, o G10 Favelas tem levado à Paraisópolis instituições educacionais como Harvard, Oxford e Fundação Dom Cabral, além de empresas como Arcelor Mittal, Uber, Amazon, Google, entre outras para conectar com líderes e empreendedores que fazem parte do G10 Hub – Acelerador de Negócios.  

O programa “Vivência Paraisópolis” promove a troca de experiências entre lideranças, empreendedores das comunidades e os visitantes. Em Paraisópolis, a experiência  proporciona saber como investir em negócios no Brasil, pensando em impacto social e transformação nas favelas. 

A programação inclui um tour no Pavilhão Social do G10 Favelas para conhecer os negócios de impacto social positivo e empreendedores locais, como, Juliana Costa e Elizandra Cerqueira, fundadoras do  Mãos de Maria, Maria Nilde e Suéli Feio da Costurando Sonhos Brasil,  Rejane Santos da Emprega Comunidades- O LinkedIn da Favela -,  Giva Pereira, da Favela Brasil Xpress e Joildo Santos, fundador da Agência Cria Brasil Comunicação. Essas e outras iniciativas buscam diminuir o  preconceito, frequentemente alimentado pela falta de compreensão e pela perpetuação de estereótipos negativos, além de atender as dores da própria comunidade.  A imersão nas favelas permite que indivíduos e organizações que desejam fazer a diferença se aproximem das comunidades de maneira respeitosa e humana. Ao vivenciar as dificuldades e desafios enfrentados pelos moradores, é possível criar empatia e estabelecer conexões genuínas. Porque não basta saber somente sobre números quando se fala em favelas, é preciso compreender a realidade de perto. 

Digiqole Ad

Jornalista, produtora cultural, diretora de comunicação da Cria Brasil, agência de comunicação de território de favela que surgiu com o compromisso de gerar impacto social positivo nas comunidades do país.

Relacionados